Buscar
  • Matriz Engenharia de Energia

COMO FUNCIONAM OS CARROS HÍBRIDOS?

A evolução das tecnologias da indústria automobilística deu origem aos carros híbridos, mais eficientes e menos prejudiciais ao meio ambiente. Esses veículos não são novidade no mercado, visto que o primeiro carro híbrido vendido no Brasil foi em 2012, mas só de um tempo pra cá eles estão em alta. Mas antes de mais nada, você sabe o que é um carro híbrido?

Os carros que adotam essa tecnologia possuem dois motores: um a combustão, sendo gasolina ou álcool, e um elétrico. Cada um desses motores tem uma função. A propulsão a combustão atua na movimentação do veículo e, principalmente, quando há alta demanda de potência, como em alta velocidade ou em aclives. Outra função desse motor é auxiliar na recarga de baterias do sistema elétrico quando o sistema central do automóvel identifica baixa carga nelas. Um dos principais componentes de um carro híbrido é o gerador, peça responsável por transformar a energia cinética proveniente dos giros do motor a combustão em energia elétrica. Essa conversão é feita durante frenagens e em momentos em que o veículo está em movimento sem aceleração.

Os carros híbridos podem ser classificados em sistema em série, em paralelo ou misto, classificação que toma como parâmetro o quanto cada motor é utilizado na locomoção do veículo. Nos sistemas em série, o motor a combustão é utilizado apenas para recarga das baterias, ou seja, o carro é tracionado exclusivamente pelo motor elétrico. Já nos sistemas em paralelo, os dois motores são utilizados para movimentação do carro, porém o motor a combustão se sobressai ao motor elétrico. Os sistemas mistos são uma mistura dos dois outros sistemas, buscando maior eficiência, independente do motor utilizado.

A partir do que foi dito, nos perguntamos qual é a diferença entre um carro híbrido e um elétrico. A assimetria dessas tecnologias, como esperado, se dá no motor e na fonte de energia. Os carros elétricos não utilizam quaisquer fonte de combustíveis fósseis ou biocombustíveis, sendo assim, não emitem CO2 .

Você deve estar se perguntando qual modelo é mais vantajoso para você, visto que os dois modelos possuem vantagens e desvantagens. Por esse motivo, iremos apresentar algumas considerações que devem ser levadas em conta no momento de escolher qual tecnologia adquirir.

Comparando as duas tecnologias no que tange à autonomia elétrica, que é influenciada por vários fatores como as condições de utilização, a velocidade e a tecnologia integrada ou acessórios ligados, os carros elétricos levam vantagem, pois, por possuírem grande quantidade de baterias, conseguem ser mais autônomos em relação aos híbridos.

Do ponto de vista ambiental, os veículos híbridos emitem gases poluentes, visto que possuem um motor a combustão. Já o elétrico não emite, mas a grande quantidade de baterias, por possuírem difícil reciclagem, exigem cuidados especiais visando a preservação delas, como estar atento a temperaturas elevadas, assim como evitar descargas e cargas rápidas.

Quando o assunto é parada obrigatória para reabastecimento, a tecnologia híbrida leva vantagem devido à combinação do motor à combustão e o elétrico. Já os automóveis movidos a propulsão exclusivamente elétrica necessitam de recarga nas suas baterias, fator que pode complicar devido à baixa quantidade de carregadores disponíveis nas estradas brasileiras.

Se está difícil realizar uma escolha entre os dois, apresentamos o híbrido plug-in, no qual é possível realizar a recarga das baterias na tomada. Com essa adaptação, é possível percorrer de 40 a 60 km somente com o motor elétrico, o que permite à maioria dos motoristas se deslocar no dia-a-dia sem necessidade do motor à combustão. Em deslocamentos maiores não é necessária parada, pois é acionado o motor à combustão quando a autonomia elétrica chega ao fim. A partir daí o veículo funciona normalmente com tecnologia híbrida.



Ana Aparecida Vieira da Silva

Ana Flávia Fonsêca Santos

18 visualizações

© 2020 por Matriz Engenharia de Energia.